PR. GUENTER KRIEGER 50 ANOS DE VITÓRIAS

Você sabia que no dia 01 de outubro de 2009 o Pr. Guenter Carlos Krieger completou 50 anos como missionário da JMN entre os índios Xerentes? Aproveitamos essa oportunidade para nos congratularmos com o Pr. Guenter e sua esposa irmã Wanda por data tão significativa.

No dia 11 de outubro de 2009 (domingo) às 9h45min na PRIMEIRA IGREJA BATISTA DE CAMPO GRANDE-RJ, será celebrado um culto de louvor a Deus com a presença do casal Krieger. O pregador da ocasião será o Pr. José Laurindo Filho da PIB de Niterói. Nosso endereço: Rua Ferreira Borges, 54 – Campo Grande – RJ. 
Guenther Carlos Krieger e Wanda Braidotti: 50 anos como missionários entre os Indíos Xerentes


Guenther Carlos Krieger nasceu no dia 25 de janeiro de 1938, em Blumenau, Santa Catarina, sendo o primogênito dentre cinco irmãos de uma família luterana alemã. Como a maioria dos meninos luteranos, começou a freqüentar o Culto Infantil, uma espécie de Escola Dominical. Aos 14 anos não era convertido de fato.

Mudou-se para São Paulo, sozinho, em 1955. Ali, trabalhando em uma joalheria, recebia um salário que era suficiente para as suas necessidades e ainda lhe permitia depositar mensalmente uma pequena quantia na Caderneta de Poupança. Certo dia sentiu-se em falta com Deus, pois, enquanto em Santa Catarina, esforçava-se por assistir, pelo menos uma vez por mês, a um culto na igreja luterana. Diante disso, procurou uma igreja luterana e em seguida comprou uma bíblia, que passou a ler. Passou a freqüentar a igreja regularmente e num culto ouviu a leitura de um versículo da Bíblia que ficou martelando em sua mente: "Que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?". E o jovem Guenther narra: "Continuei, nos domingos seguintes, a freqüentar a igreja. Passaram-se alguns dias, umas três semanas, creio. Por esse tempo chegou às minhas mãos um tratado sobre a salvação. Enfim, num domingo, em fins de outubro, tornou-se claro que para não perder a minha alma eu deveria aceitar a Jesus como meu Salvador pessoal. Aceitei-o ali mesmo num quarto de pensão da Rua Santa Efigênia".

Não muito tempo depois, começou a sentir o desejo de investir a sua vida em algo que tivesse sentido para o Reino de Deus. Seu pastor se dispôs conseguir-lhe uma bolsa para o Seminário Luterano para o ano seguinte. Enquanto isso, aconselhou-o a freqüentar as reuniões semanais da Mocidade Para Cristo. Ali um missionário o encaminhou ao curso noturno do Instituto Bíblico do Brasil. Enquanto no Instituto, a chama missionária começou a arder em seu coração. Certo domingo, ouvindo uma mensagem sobre o chamado dos apóstolos, entendeu que Deus o queria como missionário e decidiu largar tudo para pescar almas em algum lugar pioneiro onde Deus quisesse usá-lo. O missionário da MPC o encaminhou ao Instituto Evangélico Missionário (atual Instituto Peniel) em Jacutinga, MG. Ali passou a preparar-se em tempo integral para o trabalho missionário. Procurando aceitar e cumprir a ordenança bíblica do Batismo, em agosto de 1957 foi batizado na Igreja Batista de Casa Verde, São Paulo.

Completando seus estudos em Jacutinga em 1958, foi para o campo missionário para um período de estágio, como complementação do curso. No trabalho com indígenas, pôde ver quão espinhosa era a tarefa de evangelização dos índios, mas sentiu seu chamado sendo confirmado.

Apresentou-se à Junta de Missões Nacionais e a partir de 1º de outubro de 1959 passou a atuar entre os xerentes como seu missionário. Seu primeiro campo foi a aldeia da Baixa-Funda.

Em 23 de novembro de 1960 casou-se com Wanda Braidotti, que conhecera ainda no Instituto em Jacutinga. Deus agraciou o casal com três filhos: Orlando Luiz Krieger (19/09/61), Guenther Carlos Krieger Filho (13/06/64) e Marcos Fernando Krieger (05/04/67). Todos nasceram no sul de Minas, onde moravam os pais de Wanda, e sendo levados depois para a aldeia como recém-nascidos.
O Novo Testamento em xerente é o 39º traduzido das cerca de 180 línguas indígenas existentes no Brasil


No período de 1973 até março de 1975, esteve no Maranhão, dirigindo o Instituto Batista de Carolina. Em 1974 recebeu na Universidade Federal do Pará, a Licenciatura em Pedagogia na modalidade de Administração Escolar para o 1º Grau. Foi pastor da Primeira Igreja Batista de Miracema do Tocantins e acumulou de 1976 a março de 1983 as atividades de pastor da Igreja e missionário na reserva indígena. Ali deu continuidade ao estudo lingüístico e à tradução da Bíblia. Em 1981 concluiu o Mestrado em Teologia no Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil.

Entre os trabalhos publicados por ele e pela missionária Wanda, constam: Primeira Cartilha Xerente (1960), Primeiro Hinário Xerente (1961), Evangelho Segundo São Marcos (1970), Livro sobre Higiene e Saúde (1972), Atos dos Apóstolos em Xerente (1978), Coletânea de Textos do Novo Testamento (1990), Dicionário Escolar Xerente/Português - Português/Xerente (1994) e o Novo Testamento em Xerente, com certeza a sua grande contribuição para o povo Xerente.

Índios xerentes recebem pela primeira vez o Novo Testamento em Xerente
Quando hoje celebramos os 50 anos de ministério do Casal Guenther  e Wanda junto aos indígenas e como missionários da JMN, redemos graças ao bom Deus por tão abençoado ministério e por tamanha dedicação ao reino de Deus.
"Pois, que ação de graças podemos render a Deus por vós, por todo o gozo com que nos regozijamos por vossa causa diante do nosso Deus." (I Tes. 3.9)




A Deus toda honra e toda Glória!
Pr. Carlos Elias de Souza Santos

Mensagens de ação de graças pela vida do Casal Krieger.

Joed Venturini, Médico, Mestre em Missiologia, escritor e conferencista. Missionário por 18 anos em Portugal e Guiné-Bissau.
Falar do Pr. Gunther e Irmã Vanda é falar do coração de missões. Algumas palavras me ajudam a entender esse ministério especial a saber: encarnação, dedicação e perseverança.

Encarnação porque eles realmente viveram a missão. Trocaram os confortos do mundo ocidental pela vida simples próxima do povo que Deus colocou em seu coração. Aprenderam cultura e língua a ponto de penetrar na cosmovisão local e por isso mesmo desenvolveram um ministério tão especial e abençoado. Sem encarnação não há missão. Gunther e Wanda encarnaram.

Dedicação porque ao longo de todos estes anos se deram de modo completo e integral. Não pouparam esforços, não mediram sacrifícios. Deram tudo o que tinham e aquilo que nem sabiam ter. Sua dedicação ao Senhor e ao povo que Deus lhes deu os levou a fazer coisas e a viver experiências das quais só ouvimos falar. Missão real exige dedicação total.

Perseverança porque onde outros caíram Gunther e Wanda se mantiveram. Quando outros desistiram eles continuaram. Entenderam que a missão necessita de tempo, a mensagem tem que ser vivida, a cultura tem que ser assimilada. Tudo isso leva só uma vida... e eles deram a deles em perseverança extraordinária e tenacidade veraz.

Gunther e Wanda são nosso rico patrimônio. Exemplos vivos da missão personificada. Tenho alegria de os conhecer e orgulho de ter recebido deles aprovação e apoio. Servos assim vemos poucas vezes. Vidas assim temos necessariamente que imitar.

Ivo Augusto Seitz, Porto Alegre RS.

DE TODOS OS POVOS
Quando a Gladis e eu seguimos para o campo missionário em Carolina, MA, passamos por todo o Tocantins, conhecendo obreiras e obreiros, famílias e igrejas de que ouvíamos falar desde cedo. Tocantínia e Miracema foram paradas obrigatórias. Ali o pr. Guenther e d. Wanda nos receberam como se fossemos seus filhos. Fizeram com que demorássemos nossa estada, aproveitando para aperfeiçoar nossa visão transcultural, gaúchos que ainda desconhecíamos o norte, nordeste e sertão. Excelente curso intensivo!

Depois trabalhamos juntos em Carolina, mais adiante ficamos distantes no mapa quando estivemos na Amazônia, e voltamos a conviver quando voltamos à sede no Rio, com os eventos e viagens.

O pr. Guenther trabalhava todos os dias na tradução do Novo Testamento Xerente, sem os recursos da informática de hoje, tendo que digitar páginas inteiras sem qualquer rasura, pela impossibilidade de conserto. Quem acompanhou as lutas imensas para que a obra estivesse completada, revisada em nos exigentes níveis das ciências da Lingüística e Comunicação sabe que a vitória só foi possível pela graça de Deus.

Destaco a simplicidade deste querido casal, com seus filhos Orlando Luís, Guenther Carlos e Marcos Fernando, e desejo que o Jubileu de Ouro de Ministério leve a eles nossa gratidão, sabendo que, no Senhor, o nosso esforço nunca é vão (1 CO 15.58). Que muitos outros apresentem suas vidas para a expansão do Reino de Deus até que ele reúna todas as gerações, de todos os povos, nações e línguas na sua presença.

Nenhum comentário:

Postar um comentário